“Mate os gays”. É esse o nome de uma lei anunciada pela Uganda nesta quinta-feira (10), com o objetivo de permitir e legalizar o assassinato de pessoas LGBTs no país através da pena de morte. O projeto, que já havia sido barrado pelo Congresso em 2014, foi retomado pelo ministro de Ética e Integridade, Simon Lokodo, como uma forma de coibir o crescimento do “sexo desnaturado” no país, de acordo com a Reuters.

Além de impor a pena de morte para todos os homossexuais, o texto da lei ainda prevê punições para as pessoas que foram condenadas pela “promoção e recrutamento” de LGBTs. Atualmente, o país já tem uma legislação que pune gays, lésbicas e transgêneros com prisão perpétua.

LEIA TAMBÉM —> Na Uganda, médico espanca paciente ao descobrir que ela é lésbica

“Homossexualidade não é natural para o povo da Uganda, mas tem havido um recrutamento maciço por pessoas gays nas escolas e, especialmente, entre os jovens, onde eles estão promovendo a ideia falsa de que as pessoas nascem assim”, declarou Lokodo, que afirmou ter apoio do presidente Yoweri Museveni. “Nossa atual legislação penal é limitada. Ela apenas criminaliza o ato.”

Nossa atual legislação penal é limitada. Ela apenas criminaliza o ato
– Simon Lokodo

Ainda de acordo com o ministro, o objetivo é que a lei seja implementada até o final deste ano. Na última semana, o ministro de Segurança da Uganda se referiu a LGBTs como “terroristas” e o ativista gay Wasswa John foi encontrado morto no distrito de Jinja, após ter sido espancado com um machado e uma enxada.

Outros ativistas da região têm afirmado que a lei não será aprovada pelo Congresso da Uganda, mas também têm aconselhado a LGBTs que tomem cuidado com a exposição e
pedido à comunidade para se proteger.

LEIA TAMBÉM —> Um novo começo para LGBTQs na Angola

Na região africana, a criminalização da homossexualidade é recorrente, inclusive em países que fazem fronteira com a Uganda. No início do ano, o Quênia manteve a punição para quem for condenado como LGBT, enquanto a Tanzânia criou, em 2018, um “esquadrão de caça aos gays”.

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

O governador de Dar es Salaam, Paul Makonda, anunciou na última semana que o governo da Tanzânia começará a caçar LGBTs a partir desta segunda-feira. Esta é a última medida em uma série de perseguições oficiais contra gays, lésbicas, bissexuais e transexuais no país, que condena legalmente relacionamentos homoafetivos e, no último ano, ameaçou vazar uma lista de todos os homossexuais do país. . . O esquadrão criado por Makonda contará com 17 membros oficiais do governo, divididos entre o setor de mídia, inteligência e segurança. Ele alertou a população para que apagasse fotos de seus celulares e computadores, já que a “pornografia homossexual” também seria condenada pelo time. . . Ciente de que a decisão viola as leis internacionais dos direitos humanos, o Sr. Makonda anunciou publicamente, de acordo com a AFP, que “pefere enfurecer outros países do que enfurecer Deus”. . . Apesar de ilegal, a repressão contra LGBTs na Tanzânia vem se intensificando desde 2015, com a eleição do presidente John Magafuli e sua retórica discriminatória. #direitoshumanos #direitoslgbt #lgbtrights #tanzania

Uma publicação compartilhada por Revista Híbrida (@hibridamagazine) em