Nos lançamentos LGBTI+ com as principais novidades musicais de junho, o colunista Fabiano Moreira* comenta os novos discos de Johnny Hooker, Jáder e Christina Aguilera, os EPs de Danna Lisboa, Jeza da Pedra, Imbapê e Urias, além das faixas mais recentes de Laura Conceição, Aquafaba, ROHMA com Letrux e, claro, Beyoncé.

Confira os destaques abaixo e, para não perder nenhum lançamento, siga a nossa playlist aqui também:

Johnny Hooker – “Ørgia”

Justiça seja feita, Johnny Hooker tem feito muito pela comunidade LGBTQIA+ em sua presença na TV, sempre empunhando a bandeira da autenticidade e servindo looks que questionam os padrões heteronormativos. Seu terceiro álbum de inéditas, Ørgia, chega quatro anos desde o último disco, Coração. O grande destaque da tracklist é “NSRA da Encruzilhada”, composição de Filipe Catto que cai como uma luva na interpretação dramática de Hooker. Até eu, que parei de fumar há três anos, quis bicar esse Derby em paz.

O disco traz muitos singles e feats já lançados com sucesso antes do álbum, como as boas “NHAC”, com Chameleo; “Larga esse boy”, com Jáder; e Amante de Aluguel”. O artista ainda tentou embrulhar o disco no conceito do livro Orgia – Diários de Tulio Carella, que narra uma série de aventuras sexuais pelas ruas e cabarés da cidade portuária do Recife, mas a desconexão entre as faixas prevalece. Bom, mas a gente espera mais de um artista do tamanho de Hooker, como em “Estandarte”, que ecoa carnaval e fala de Marielle Franco ao fechar o disco.

Jáder – “Quem mandou chamar???”

Que o forró virou plataforma de expressão LGBTQIA+, há alguns discos de Johnny Hooker, Pabllo Vittar e Getúlio Abelha, a gente já sabe. Mas o artista pernambucano Jáder é a nova ponta de lança desse movimento. Ele foi apresentado justamente por Hooker em “Larga esse boy”, faixa que está no seu excelente disco de estreia, Quem mandou chamar???.

O álbum ressignifica o forró com dez faixas autorais e participações do já mencionado Hooker, além de Uana, Jéssica Caitano e o baterista Riquelme, instrumentista de forró. Jáder já soma mais de 1 milhão de streamings nas plataformas digitais cantando o amor diverso e plural. “Esse é um trabalho sensual e sexual, que exala o desejo carnal de um corpo dissidente. Esse lançamento tem a sua importância por ser um disco de forró lançado no mês da visibilidade LGBTQIA+”, conta o artista, que passeia por piseiro, forró e reggaeton no disco.

Christina Aguilera – “Aguilera”

Aguilera é o álbum que reúne toda a recente produção em língua espanhola da diva Christina Aguilera. No disco, estão os EPs La Fuerza, o primeiro em espanhol dos últimos 20 anos; e La Tormenta, seu sucessor. São nove meses de trabalho em língua espanhola. No lançamento, ela soltou o single “Suéltame”, ao lado da estrela argentina Tini, e uma nova versão da ranchera “Cuando Me Dé La Gana”, com o cantor mexicano Christian Nodal. O trabalho ainda traz colaborações com Ozuna, Becky G, Nicki Nicole e Nathy Peluso.

Danna Lisboa – “Li$ho”

A cantora e multiartista Danna Lisboa lançou seu terceiro EP, LI$HO, que saiu acompanhado de ótimo clipe para “$ince 99”, com criação da talentosa Alma Negrot (sou fã). A faixa deu o mote do EP a partir da frase “Do LI$HO aos palcos, desde 1999”. Ao todo, são cinco músicas autorais que mostram o gingado e a história da artista, mulher trans e preta. Forte e autêntico, o trabalho traz uma mistura de rap, R&B, soul, pop, funk e música eletrônica com participações de Monna Brutal (“Milhõe$”), Emerson Oliver4 e Peu Morais (“Ouro ÒSÉ”).

Jeza da Pedra e Xavier2bit – “Amores Líquidos”

Jeza da Pedra é um dos artistas gays mais potentes e conceituais da nova geração e, em Amores Líquidos, trouxe o emo trap no mês dos namorados e do orgulho LGBTQIA+ com o parceiro Xavier2bit, “Dropado” de LSD, em um encontro único do rap com o R&B. O EP é uma mistura de trap, funk melódico e synthwave e “aborda a brevidade e fragilidade das relações”. A capa é uma mesa de bar. Jeza tem um trabalho único desde “Pagofunk Iluminati”, ao qual devemos prestar atenção. Fiz uma edição da Sexta Sei com ele aqui.

Imbapê – “Bicho solto”

Eu adoro acompanhar a trajetória do Imbapê, jovem artista de Juiz de Fora (MG), desde “Sou de Humanas”. Ele acabou de lançar seu EP de estreia, Bicho solto, com duas inéditas: “Coroação”, com Alice (da banda Tatá Chama e as Inflamáveis) e Laura Jannuzzi em visualizer gravado no Cine Theatro Central; e “A Nova”, uma mistura de percussão digital e orgânica. O trabalho traz ainda as “As Paquitas”, com o fenômeno Dona Chapa; e “Pisciano”, um pagodão baiano com clipe massa. A maioria das faixas traz a talentosa Laura na composição.

Urias – “Her mind”

Logo após o seu elogiado disco de estreia, Fúria, Urias soltou a primeira das três partes de um novo disco, Her Mind. O projeto audiovisual ganhou visualizers (abaixo) e, quando concluído, vai compor seu segundo disco, que guia todo o projeto. O EP tem sonoridade eletrônica e latina, com toques de IDM, eletrônica, avant-pop e trip hop, inspirado em artistas como FKA Twigs, Death Grips e SOPHIE. A artista canta em inglês, espanhol e português, estratégia para atingir o mercado internacional, com produção das feras da Brabo Music (Rodrigo Gorky, Maffalda e Zebu).

Laura Conceição – “Sossego”

O tempo é “um senhor tão bonito”, como diria Caetano Veloso, e parece que foi ontem que a rapper juiz-forana Laura Conceição cantava, pela primeira vez, a canção “Sossego”, em take exclusivo para uma das primeiras edições da Sexta Sei, em 2020. Ela acaba de lançar a música, com produção de Alvaro Borges e Ever Beatz, anunciando novo disco que chega este mês, desprendendo a imagem dela um pouco do rap e trazendo uma cantora mais melódica. A faixa emula Tim Maia, Milton Nascimento, Elis Regina e Cazuza. Na pandemia, Laura participou de algumas lives da cantora Teresa Cristina e tem feito seu nome no circuito nacional de slams, onde já foi campeã.

Aquafaba – “Mania de você” e “Vênus”

Eu já tinha falado do duo Aquafaba em junho do ano passado, na Sexta Sei, quando o duo formado pelo chileno Cristóbal Rey e pelo brasileiro Danilo Timm lançou seu primeiro álbum, autointitulado. Pois a dupla radicada em Berlim voltou a chamar a atenção, em maio, com dois feats bacanas: “Mania de você”, uma versão de Rita Lee com Salma Jô, do Carne Doce; e a inédita “Vênus”, com Ícaro Silva e Aline Wirley. As faixas são aquecimento para o segundo disco da banda, Electric City, que tá vindo aí. O clima é bem gostoso, psicodélico e festivo.

ROHMA e Letrux – “Kobra’

Estou completamente viciado em “Kobra”, single que o artista italiano radicado no Brasil há 24 anos Rohma acaba de lançar, em parceria com a amiga Letrux e produção caprichada de Jonas Sá e Thiago Nassif. Rohma assinava seus trabalhos antes como Rohmanelli e, além de cantor e compositor com três discos lançados, é pesquisador, professor universitário, poeta e escritor. Ele lança, no dia 5 de agosto, novo disco, [email protected]. “Kobra” é versão modernizada e atualizada para canção de enorme sucesso na Europa, do início dos anos 80, na voz da diva Rettore. A música traz também o toque de Pedro Sá no baixo e clipe no metaverso. Apaixonado.

Beyoncé – “BREAK MY SOUL”

A internet ficou bem nervosa com o lançamento de “BREAK MY SOUL”, faixa com levada house e sample do clássico “Show Me Love”, de Robin S., bem gostosa que anuncia o novo disco de Beyoncé, Renaissance, previsto para chegar ao mercado em 29 de julho. É pra amar e ponto.


*Fabiano Moreira é jornalista desde 1997 e já passou pelas redações de O GloboTribuna de MinasMix BrasilRG e Baixo Centro, além de ter produzido a festa Bootie Rio. Atualmente, é colunista da Sexta Sei.