Um dos maiores clássicos do cinema LGBTQ completa seu 25º aniversário este ano e, para celebrar, volta a ser exibido em uma edição especial do Shell Open Air na noite de hoje (19), em São Paulo. Lançado em 1994, “Priscila, A Rainha do Deserto” é um road movie dirigido e escrito por Stephan Elliott, que segue três drag queens em uma viagem de ônibus pelo interior da Austrália.

Ainda hoje, é difícil imaginar um filme australiano com essa premissa lucrando muito no cinema comercial. Mas em sua estreia, “Priscila” faturou o equivalente a mais de U$24 milhões apenas no primeiro fim de semana nas telonas, levando personagens, situações e problemas LGBTQs para um público mainstream.

O filme conta a história da transexual Bernadette (Terrence Stamp), que decide embarcar em uma viagem para o interior da Austrália a convite das amigas e drag queens Adam (Guy Pearce) e Anthony (Hugo Weaving), contratadas para levarem seu show drag até um cassino. O trajeto é feito a bordo do Priscilla, ônibus que dá nome ao longa e serve de palco para o embates, as discussões e diversões dos protagonistas.

Com prêmio, aclamações e adaptações para os palcos, o filme firmou-se como título imprescindível na lista do cinema queer e tem rodado festivais de todo o mundo na comemoração dos seus 25 anos. Abaixo, listamos cinco motivos por quê “Priscila, a Rainha do Deserto” se tornou um clássico do cinema LGBTQ e atravessou gerações:

"Priscilla, a Rainha do Deserto" será exibido nesta quinta (19), no Shell Open Air (Foto: Divulgação)
“Priscilla, a Rainha do Deserto” será exibido nesta quinta (19), no Shell Open Air (Foto: Divulgação)

A trilha sonora

Algumas das músicas presentes na trilha sonora de “Priscilla” já eram clássicos das pistas LGBTQ bem antes de o filme nascer, mas é inegável que o sucesso comercial do longa ajudou a cimentá-las no imaginário popular até hoje. Nomes como Vanessa Williams, Peaches e Village People têm seus devidos momentos na história, assim como a imortal “I Will Survive”, de Gloria Gaynor. O remix de “Finally”, um hino da house music cantado por CeCe Peniston, não só rendeu uma das cenas mais memoráveis do filme, como também ajuda a animar muita festa em 2019. E se você não reconheceu pelo nome, é só dar play no vídeo abaixo.

O figurino

Além de referências a Givenchy nos diálogos, “Priscilla” traz uma sequência de vestidos (como o que aparece no pôster do filme e no destaque desse texto), macacões de boca larga e adereços de flores que transbordam a cultura queer da época. O brilho das lantejoulas conquistou tanta gente que rendeu um Oscar de Melhor Figurino para Lizzy Gardiner and Tim Chappel na cerimônia de 1995.

O apelo popular

A estatueta de ouro pelo figurino não foi o único reconhecimento de “Priscilla” pela comunidade cinematográfica. No mesmo ano, o filme ainda foi indicado a dois prêmios do Globo de Ouro e cinco do BAFTA, faturando os troféus de Melhor Figurino e Melhor Maquiagem. Hoje com 95% de aprovação no Rotten Tomatoes, o filme conseguiu conquistar até a parte da imprensa que tentou taxá-lo como uma “comédia transexual”, mas não conseguiu resistir à acidez dos diálogos, às performances do elenco ou às lantejoulas dos figurinos.

O figurino de "Priscila, a Rainha do Deserto" foi premiado no Oscar, no BAFTA e no Tony Awards (Foto: Divulgação)
O figurino de “Priscila, a Rainha do Deserto” foi premiado no Oscar, no BAFTA e no Tony Awards (Foto: Divulgação)

Aids e o preconceito

Se hoje, em pleno 2019, uma deputada federal ainda tem coragem de tratar o vírus da Aids como um problema exclusivamente de homens gays (oi, Carla Zambelli!), no início da década de 1990 não era diferente. Ainda assim, “Priscilla” triunfa ao mostrar protagonistas que não se deixam abater quando são encarados por “situações adversas”. Um dos méritos de Elliott é ter dado espaço para que seus protagonistas se desenvolvessem em um mundo fictício onde três drag queens conseguem cruzar o deserto, se divertirem livres no caminho e saírem vivas no final.

Cena de "Priscilla, a Rainha do Deserto" (foto: Divulgação)
Cena de “Priscilla, a Rainha do Deserto” (foto: Divulgação)

O Musical

Em 2006, pouco depois do seu aniversário de uma década, “Priscilla” foi adaptado para a ribalta com roteiro de Stephan Elliott e Adam Scott. Na trilha, a mesma coletânea de músicas pop que ajudaram a impulsionar o sucesso do filme. Em sua versão para a Broadway (2011), o espetáculo foi indicado a duas categorias do Tony Awards, rendendo novamente o de Melhor Figurino para Tim Chappel and Lizzy Gardiner. O sucesso foi tanto que a montagem chegou ao Brasil no ano seguinte.


“Priscilla, a Rainha do Deserto” será exibido no Shell Open Air nesta quinta-feira (19), às 20h, com set da DJ Halessia após a sessão. Confira os ingressos aqui.