*Texto original de Laura Mills

No segundo mergulho da História Queer na Segunda Guerra Mundial, nós veremos um lugar igualmente crítico para o progresso LGBT: o Institut für Sexualwissenschaft (ou “O Instituto de Sexologia”, em tradução livre). Fundado por Magnus Hirschfeld e Arthur Kronfeld em Berlim, em 1919, o instituto foi revolucionário. Ele estabeleceu a base para um legado de aceitação e entendimento do corpo humano, e foi posteriormente dilacerado pelos poderes que viam seu trabalho como “muito progressista” ou “muito cru”.

A existência do Instituto na Alemanha há exatos 100 anos pode ser supreendente, dada a forma que a maior parte de sua história tem sido retratada. Antes da ascensão de Hitler, no entanto, o país era o coração do ativismo LGBT na Europa. Alguns dos mais prolíficos pesquisadores e médicos LGBTs chamaram Berlim de lar e, devido à presença deles, a cidade se tornou um antro de apoio e discussão aberta. E muito dessa “discussão aberta” pode ser atribuída à existência do Institut für Sexualwissenschaft.

Esse pequeno prédio atraiu aualmente 20.000 pessoas de toda a Europa e tornou-se também o maior arquivo de ativismo e pesquisa LGBT daquela época. Sua biblioteca e suas instalações serviram como uma pseudo-universidade para os intelectualmente curiosos.

Fachada do Institut für Sexualwissenschaft durante a década de 1920 (Foto: Reprodução)
Fachada do Institut für Sexualwissenschaft durante a década de 1920 (Foto: Reprodução)

O Instituto também funcionou como uma clínica, que prestava cerca de 1.800 consultas por ano. Um de seus fundadores, Magnus Hirschfeld, foi um conhecido defensor de abortos acessíveis e da contracepção, e eles espalharam informação sobre doenças sexualmente transmissíveis por toda a comunidade LGBT da época.

Lá, aconteceu a primeira cirurgia de readequação sexual, além de contar com muitos pacientes e funcionários transgêneres, em igual medida. Inclusive, foi no Institut für Sexualwissenschaft que Lili Elbe, a mulher trans que deu origem ao filme “A Garota Dinamarquesa”, realizou sua transição de gênero.

Sendo a maioria dos visitantes e clientes pessoas queer, a pobreza era familiar para o Instituto. Sem fins lucrativos, ele era como uma empreitada altruísta. A equipe alugava quartos no prédio e adequava o preço do aluguel de acordo com o que as pessoas tinham; ocasionalmente, algumas ficavam de graça. Eles também não cobravam clientes pobres por consultas, tornando descobertas sobre saúde sexual o mais acessíveis possível.

Justiça através da ciência
– Magnus Hirschfeld

Esta aceitação não duraria muito. Enquanto o Instituto trabalhava para mudar a cultura de Berlim, obtendo sucesso por um curto período de tempo, Adolf Hitler e seus seguidores trabalhavam contra isso. Apesar do apoio de muitos indivíduos importantes, incluindo Albert Einstein, o local se encontrou em perigo quando Hitler ascendeu ao poder. Em 1933, jovens fascistas pegaram o arquivo de 20.000 textos do Instituto e o queimou nas ruas.

O local foi fechado; sua informação foi perdida e muitos da equipe foram levados para campos de concentração, onde morreriam junto ao resto dos “indesejáveis” de Hitler. Institut für Sexualwissenschaft é a “Biblioteca queer de Alexandria”: construído para o progresso, somente para ser destruído por aqueles que o rejeitavam.

Soldados nazistas apreendendo livros censurados durante o regime de Adolf Hitler (Foto: Getty Images | Reprodução)
Soldados nazistas apreendendo livros censurados durante o regime de Adolf Hitler (Foto: Getty Images | Reprodução)

A comunidade LGBT do século 20 perdeu algo no dia em que aqueles livros foram queimados, assim como a comunidade de hoje também o perdeu um lugar onde estávamos no controle de nossa narrativa. Um lugar onde informação sobre pessoas queer estava sendo pesquisada, contada e ensinada por pessoas queer, tudo isso por conta da hipocrisia, do medo e da tirania de um homem e sua legião de seguidores.

Ao mesmo tempo, a destruição do Instituto é informativa. O que Hitler reconheceu na existência do Instituto foi que educar as pessoas levava ao empoderamento delas. Destruindo esta oportunidade para a educação, ele e preconceituosos como ele tentaram destruir nosso poder.

Este texto faz parte do projeto Making Queer History cuja existência só é possível graças a doações. Se tiver interesse, você pode fazer uma doação única no Paypal ou tornar-se um Patrono.